Recupere o seu metabolismo

 Como vai caro leitor?

                Todos os anos, quando o sol espreita e as roupas se tornam mais leves, começa a correria às dietas rápidas. Esta tendência sazonal torna-se quase o natural ciclo da vida de muitas pessoas. Até que num qualquer ano semelhante aos anteriores, o corpo já não reage à “dieta do costume”. As pessoas assustam-se, redobram a restrição, compram novos suplementos milagrosos e até aproveitam a inscrição esquecida no ginásio do bairro… Quando já nada resulta, algumas conformam-se, outras decidem que é tempo de procurar a nutricionista para operar «o milagre».

                Depois de ouvir histórias  dietéticas que se podem resumir pelo parágrafo anterior é comum dizer na primeira consulta:

O seu metabolismo está estragado.”

                Mas o que quer isto dizer? Como se chega a esse ponto? Há solução? Todas as respostas neste artigo.

O que é o metabolismo?

                A palavra metabolismo vem do grego “metabole”, que significa “mudança, troca”.

Consiste num conjunto de transformações e reações químicas através das quais se realizam os processos de síntese (construção) e degradação celular.  Este conjunto de reações acontece por via de uma cadeia de enzimas, hormonas e de outros produtos intermediários.

  O metabolismo depende de três funções vitais:

  • Nutrição (obtenção de energia e nutrientes essenciais);
  • Respiração (oxidação desses nutrientes para produção de energia química)
  • Síntese de moléculas estruturais (utilização da energia produzida).

Já as reações metabólicas podem ser de dois tipo:

  • Reações de síntese/ construção = anabolismo
  • Reações de degradação = catabolismo
 

As reações anabólicas constroem novas substâncias, por exemplo, tecido muscular a partir das proteínas da alimentação. As reações catabólicas destroem substâncias, por exemplo, transformam a gordura em energia e água.

Para manter as funções vitais (respiração, batimento cardíaco, temperatura corporal, etc.), o organismo gasta energia, denominam-se esse por metabolismo basal. Isto é, mesmo em repouso o nosso organismo gasta energia para se manter vivo. Pode calcular o seu metabolismo basal através destas fórmulas:

HOMEM

88,362 + (13,397 x peso em kg) + (4,799 x altura em cm) – (5,677 x idade em anos)

MULHER

 447,593 + (9,247 x peso em kg) + (3,098 x altura em cm) – (4,330 x idade em anos)

Contudo, esta é apenas uma fórmula estatística. O metabolismo depende de vários fatores como idade, género, genética, prática de atividade física, medicação, alimentação, stress, etc. É por esse motivo que existem pessoas que comem de tudo e são extremamente magras e outras que dificilmente emagrecem.

Ainda assim a maior parte de nós tem taxas metabólicas “normais” e previstas por fórmulas como a anterior. O que acontece é que com o passar dos anos e com os “maus tratos” que damos ao nosso organismo, este acaba por ser resistente à mudança. Expliquemos melhor:

Como funciona o metabolismo em relação ao peso corporal?

                O corpo humano, em condições normais, dispõe de mecanismos de equilíbrio do peso/gordura corporal. Lembremos que a gordura é o combustível de reserva do corpo humano, por isso cada organismo tende a gerir estas reservas. Chama-se a isto o ponderostato, ou seja, até a um certo número de calorias ingeridas a mais ou a menos o organismo não altera as suas reservas. Esta é uma forma de auto-regulação do peso mediada por hormonas.

 

Contudo, este ponderostato tende a desregular-se de acordo com o nosso comportamento alimentar, de uma forma muito simples:

  • Se fizermos restrições alimentares constantes, ou se comermos alimentos muito pouco calóricos e de absorção rápida (ex iogurte e frutas), ou passarmos muitas horas em jejum, o organismo tende a diminuir o gasto de energia basal e a fazer mais reservas de gordura.
  • Se comermos sempre mais calorias do que as que necessitamos o metabolismo tende a poupar as suas reservas e a apenas gastar e acumular o que vem da alimentação. Tendo a agravante de que sempre que os níveis de nutrientes baixam no sangue as hormonas da fome disparam, verificando-se fraqueza e mau estar (hipoglicémia), ou seja, a pessoa tende a ingerir alimentos de reposição rápida de energia (dependência metabólica).
  • Se variar entre períodos de restrição acentuada e períodos de compulsão alimentar com grande ingestão calórica, também aqui o metabolismo tende a defender-se, desacelerando. Isto é, o organismo deixa de reagir, tanto à restrição como à sobreingestão. O objetivo é defender-se e manter um equilíbrio (efeito dietas iô-iô).

Podemos comparar o metabolismo do peso a um elástico:

Tanto estica e encolhe, que temos de o esticar cada vez mais para obter o resultado. E tanto estica que se torna laxo e já não volta a encolher como no início. Portanto o metabolismo torna-se frouxo, cansado e defensivo. Os mesmo estímulos deixam de ser eficazes.

As hormonas mais envolvidas neste processo são as da tiróide. Não é por acaso que o hipotiroidismo é uma condição cada vez mais prevalente, especialmente na população feminina com mais de 40 anos. Veja o artigo sobre hipotiroidismo. A tiróide tenta durante muito tempo compensar os jejuns, as restrições e os excessos, até que se cansa de produzir hormonas e entra em falência. Estes são casos de hipotiroidismo secundário (aos erros alimentares).

Hormonas envolvidas na regulação do metabolismo do peso

Há solução para o metabolismo lento?

Sim. Embora exija paciência, preserverança e muita motivação. Pessoas com o metabolismo lento e cansado têm evoluções lentas, na casa das gramas por semana e fazem retenção de líquidos com facilidade o que camufla o seu resultado. Por outro lado, são pessoas que já passaram por tantos processos de perda de peso que se tornam impacientes e incompreensivas quanto aos resultados, desmotivando facilmente.

Se este é o seu caso lembre-se que não chegou a onde está de um dia para o outro e que o seu corpo ficou doente devido aos seus comportamentos, num estado de letargia. Agora precisa de tempo para recuperar.

Como recuperar o metabolismo saudável?

Só conseguirá recuperar o seu metabolismo com hábitos alimentares saudáveis e exercício físico.

Se passou anos a fazer restrição de hidratos de carbono (ex. pão, arroz, fruta, feijão) é normal que o seu corpo precise de tempo para se adaptar.  Quanto mais extrema e por mais tempo tiver sido a restrição, mais tempo precisará para reverter a situação.

Artigo recomendado: Por que não deve “cortar”nos hidratos de carbono

Para recuperar o seu metabolismo e incentivá-lo a funcionar, não engordando ao mínimo consumo, deve mudar o seu estilo de vida e não fazer mais uma dieta. Consulte nutricionista.