Microbiota & gravidez

Setembro

É no 9ºmês do ano que se celebra o Mês da Grávida, em alusão aos 9 meses de gestação.

Ao longo de todo o mês iremos abordar temas diversos e publicar semanalmente receitas inovadoras e práticas!

Se pensa engravidar ou está gestante não pode perder este mês de publicações, porque estar grávida é uma benção mas também uma enorme responsabilidade!

Microbiota - uma população silenciosa, mas determinante!

Definição de Microbioma

O conceito de Microbioma foi recentemente (JUN2020) atualizado por um consenso de especialistas internacional: Atualmente considera-se que o "microbioma" é composto pela "microbiota" (comunidade de microrganismos) e pelo seu "teatro de atividade" (elementos estruturais, metabólitos / moléculas sinalizadoas e as condições ambientais circundantes)

A microbiota  é hoje estudada e valorizada pela sua grande interação com o hospedeiro, determinando diversas funções metabólicas, não sendo exceção a gravidez.

A disbiose (alteração nociva da microbiota) é uma mudança expectável e fisiológica na gravidez, principalmente nos segundos e terceiros trimestres e está naturalmente relacionada com uma maior probabilidade de aumento do peso e aumento da resistência à insulina (2018).

Disbiose da microbiota intestinal

A microbiota é uma comunidade microbiana que vive no corpo humano e varia de acordo com diversos fatores como idade, dieta e estilo de vida. Esses microrganismos desempenham um papel muito importante na manutenção da homeostase da saúde ou eubiose.

Está bem demonstrado que alguns distúrbios do trato gastrointestinal (como obstipação, diarreia, doenças inflamatórias intestinais) se relacionam com alterações da microbiota que podem ser tratados com probióticos.

Além disso, disfunções metabólicas importantes, tais como níveis alterados de triglicéridos, lípidos, colesterol e glicose plasmática de jejum, também estão relacionadas à disbiose.

Da mesma forma, alterações de fertilidade, síndrome do ovário poliquístico (SOP), cancro gastrointestinal e reprodutivo, ou distúrbios de saúde mental como depressão, anorexia ou ansiedade também estão ligados à disbiose da microbiota.

No caso de mulheres obesas ou que tenham ganhos de peso gestacionais muito elevados, estas alterações da microbiota serão mais intensas e com maior probabilidade de consequências adversas, resultando em complicações metabólicas, como o aumento da probabilidade de diabetes gestacional e macrossomia.

Poderá ter interesse em…

“Gestão do Peso na Gravidez”

Probióticos como tratamento das consequências de Disbiose gestacional

Os Probióticos são estirpes de bactérias vivas ou mortas consideradas benéficas para a saúde humana. Um dos mecanismos de ação dos probióticos consiste em neutralizar as bactérias patogénicas e as suas toxinas, modulando o metabolismo e a resposta imunitária através dos linfócitos T. 

Uma meta-análise (estudo de estudos) de 2021 aponta para que a suplementação em probióticos possa prevenir a dermatite atópica na criança, caso sejam administrados em grávidas/lactantes com história familiar próxima de doença alérgica (rinite alérgica, alergia alimentar, eczema, etc.).

 

A microbiota intestinal durante a gestação parece também ter impacto sobre a saúde da mulher, nomeadamente, no aparecimento de depressão pós-parto:

Um estudo Australiano cego randomizado e controlado, publicado na conceituada revista The Lancet em 2017, com 423 mulheres grávidas divididas em 2 grupos e suplementadas com probióticos Lactobacillus rhamnosus HN001 desde as 14-16 semanas até 6 meses após o parto verificou que o grupo suplementado com probióticos apresentava níveis significativamente mais baixos de sintomas de ansiedade e depressão.

E porquê? por causa do triptofano, um aminoácido essencial percursor da serotonina (neurotransmissor “do prazer” e relaxamento). Este é produzido em grande parte pelo intestino, dependendo de metabolitos provenientes da microbiota. Num intestino disbiótico há menor produção de serotonina. (Nat med 2018)

Poderá ter interesse em…

Depressão – A comida interessa?

Po outro lado o triptofano parece participar nesta relação por poder ser metabolizado pela microbiota , atravessando a barreira hemato-encefálica, bloqueando citoquinas inflamatórias e assim melhorando o humor. (Life Sci 2003)

O triptofano encontra-se especialmente em fontes de proteína, como o feijão, lentilhas, frutos gordos, sementes, peixe, ovos, carne e é melhor absorvido quando consumido em conjunto com hidratos de carbono (pão, massa, arroz, cereais, fruta).

Usados na prevenção e tratamento da diabetes gestacional, os probióticos parecem diminuir a glicemia e a insulinemia de jejum, assim como o HOMA (parâmetro que permite avaliar a resistência à insulina). Uma meta-análises (estudo de estudos) da revista Nutrients 2021  confirma estes dados, além de achar uma redução do risco de macrossomia e de internamento à nascença, quando as grávidas eram suplementadas com probióticos!

Já sabemos que a Disbiose se relaciona com alterações metabólicas diversas e o ganho excessivo de peso durante a gestação não é exceção.

Uma revisão da portuguesa Porto Biomedical Journal 2021 descreve com pormenor a relação entre disbiose, obesidade e síndrome metabólica.

Microbiota Intestinal e consequências da obesidade e síndrome metabólico Fonte : Porto Biomed J. 2021 Jan-Feb; 6(1): e111.

Em conclusão...

Uma microbiota saudável é estável, mas apresenta grande diversidade, sendo adaptada ao longo do ciclo de vida!

Uma alimentação saudável desde a pré-conceção, rica em ómega-3, fibra, vitaminas e minerais, além dum controlo dos processados, parece ser a chave para atingir uma microbiota ideal durante a gestação.

Um correto acompanhamento nutricional permite à gestante ter menor probabilidade de complicações, bem como diminuir as consequências durante a gravidez e pós-parto para o seu bebé!

Do que espera para começar a planear a sua gravidez com o Diário de uma Dietista?