Reprogramar a mente para emagrecer

Como vai caro leitor?

    Ultimamente temos feito publicações sobre a necessidade de mudar a MENTE, para mudar o CORPO. De facto, muitos de nós tendemos a recorrer à comida para “aliviar dores da alma”. Assim, reprogramar a mente para evitar que sentimentos e emoções negativas nos façam recorrer à comida é o segredo para ter um peso saudável. Aprenda a controlar o “poder da mente” e a “pensar magro”.


Cuidar da mente é o primeiro passo para cuidar do corpo

   Controlar a mente é o segredo para emagrecer. Sentimentos como tristeza, ansiedade, medo e baixa auto-estima estão entre os vilões do excesso de peso. Um estudo recente demonstra que 95% das mulheres saudáveis encontram na comida uma fuga ou compensação das emoções negativas, resultando num aumento de peso.
    Se faz parte desse grupo, nada de desânimo ou desespero. O segredo para ser saudável e sentir-se bem com o seu corpo é reprogramar a sua mente. 

Leia Alimentação emocional Restrição Alimentar = Compulsão?


Mude a sua forma de pensar

   O ser humano nasce com um sistema de auto-regulação do apetite e do peso, que regula a “energia ingerida versus a energia gasta”. Contudo, devido a fatores ambientais/ sociais estes sistemas vão-se alterando. Assim temos de voltar a reprogramá-los, faremos um “reset” da mente! 
    Por exemplo: “Quando uma criança não consegue urinar, a mãe abre uma torneira. Ao ver a água a correr, ela urina”. Isto porque o fluxo de água ativa no cérebro o “comando” que acciona a bexiga. Da mesma forma, certas imagens, cenas e sons podem estimular atitudes e comportamentos que emagrecem. 

Quer usar a força do pensamento a seu favor? Comece por aplicar estas 6 estratégias:


1. Admire-se a si próprio(a)!

   Por exemplo: se tem pernas grossas e é de estatura baixa, pare de sonhar em ter um corpo esguio e alto. Em vez disso valorize as suas qualidades. Todos nós temos as nossas! Pense bem, o que gosta mais em si? os seus olhos, mãos, lábios, ancas, ombros, cabelo, pés…? valorize o que tem de bom! Livre-se da pressão do “padrão de beleza atual”, que “ninguém” pode alcançar e que só gera ansiedade, tristeza e sentimentos negativos. Quantos de nós nascemos para passar modelos? E será que gostaria realmente de ser assim? valorize-se! 


2. Alimente-se por fome, não por gula!

    Pare de raspar o prato ou a panela só para não sobrar comida, quando já estiver satisfeito. Não faça do “lixo” o seu próprio corpo. Pare de comer os “restos” que o seu filho não quis. Grão a grão, tudo faz a diferença. Habitue-se a cozinhar porções menores ou a guardar as sobras para uma próxima refeição.

Leia Alimentação saudável é cara?


3. Acredite na força das palavras!

 Tome atenção ao que “pensa e diz” para não passar uma mensagem errada e negativa à sua mente.
    A palavra dieta, por exemplo, faz-nos pensar em privação. Só de a dizer já ficamos com vontade de comer mais. Assim, pense e diga que está “a fazer mudanças na sua alimentação, ou a educar os seus hábitos alimentares, ou que está a adotar uma maneira mais saudável de se alimentar”. Quer outro exemplo? Evite a expressão “estou a perder peso“. Essa afirmação parece transitória e que irá voltar a ganhar. Ninguém gosta de perder! Diga antes que está a cuidar da sua alimentação e/ ou saúde, daí infere-se que está a tratar do peso. 


4. Coma de tudo, em pequenas quantidades!

    Repita diariamente o seguinte mantra: “posso comer de tudo um pouco!
   As pessoas que têm excesso de peso costumam martirizar-se com ideias punitivas e restritivas, como: 

“não posso comer”
“comi e por isso vou engordar”
“este alimento é proibido”
“comi demais”

    Estes pensamentos só nos enchem de ansiedade, tristeza, irritabilidade, mau humor, culpa, fracasso… e mais tarde ou mais cedo irão levar a que se coma demais! Em vez de comer 1, comer a caixa completa.
   Evite pensamentos catastrofistas como “perdido por 100, perdido por 1000”. Isto nunca é verdade, mais vale 1/2 do que 1 inteiro, acredite!


5. Coma devagar, sem pressa!

    Em vez de encher o prato, sirva-se de menos comida e coma com calma. Acabou? Espere quatro minutos antes de se servir de novo. Este é o tempo que o cérebro precisa para distinguir entre a fome real e a “vontade de comer” (fome emocional). 
   Diversifique os alimentos, a forma de confecção, a apresentação do prato, os temperos… tudo isto ajuda a que não caia na monotonia e perca o prazer na alimentação. Se for demasiado repetitivo e castrador (ex. cozidos/ grelhados; alface, alface, alface…; sopa, sopa, sopa) irá, naturalmente, procurar o prazer da sobremesa!

Leia Diversificar é essencial!


6. Não se reprima ou restrinja demasiado. Mime-se!

  Quando se priva e restringe demasiado, o seu corpo reage produzindo sinais (hormonas) que lhe pedem para comer alimentos mais calóricos e açucarados!   
   Lembre-se que “o fruto proibido é o mais apetecido”. Além disso, a restrição exagerada é uma forma de violência contra o seu corpo e o ser humano está programado para o prazer. Ou seja, mais tarde ou mais cedo, irá refugiar-se num alimento hipercalórico, comendo demasiado, em vez de comer apenas uma pequena porção que não teria nenhum impacto na sua saúde/ peso.

Leia também “Dia livre” Sim ou Não?



    Aqui ficam alguns conselhos para reprogramar a sua MENTE! Lembre-se que é ela que manda no corpo. Caso não consiga sozinho, procure ajuda. A psicologia aliada à nutrição, costuma ser fundamental neste processo. Mude a sua MENTE!