Receita da Semana #50 – Romã

Hoje falar-lhe sobre a romã. Um fruto que deve mesmo conhecer e introduzir na sua alimentação!

Romã – características botânicas

A romãzeira é um arbusto ou pequena árvore de 2 a 5m de altura. Por vezes espinhoso, com ramos e casca castanha acinzentada. As folhas, que caem durante o Inverno, são verde-brilhantes, lustrosas na página superior com a margem inteira. As flores são solitárias ou em grupos de 2-3, na extremidade dos ramos, sobre um pedúnculo curto; são hermafroditas, vermelho-escuras e muito vistosas. O fruto é esférico, designado botanicamente por balaústia (romã) e é exclusivo deste género; está coroado pelo cálice persistente e possui uma casca coriácea e
atinge mais ou menos o tamanho de uma laranja. O seu interior está dividido em numerosos compartimentos por umas membranas branco-amareladas, que correspondem ao endocarpo, sendo em botânica designadas por ‘tastanas’. As sementes são prismáticas, com a parte
exterior carnuda e vermelho vivo, o interior contém um caroço, pouco rígido e esbranquiçado.

O género Punica é representado apenas por 2 espécies:

A Punica protopunica, que vive apenas na ilha de Socotra, reduzida atualmente a uns poucos exemplares, encontrando-se em perigo de extinção;

 A Punica granatum, a romãzeira, espécie com bastante interesse económico, é cultivada desde a antiguidade. Tem origem na Pérsia onde se propagou por regiões de clima seco. Pode ser cultivada na terra, mesmo em regiões mais frescas, plantada junto a um muro virado a sul, ou mesmo cultivada num vaso grande que se possa transportar para local abrigado durante o Inverno.

Fonte: Serralves.ubiprism.pt

Romã – o fruto

As variedades mais frequentes são a Mollar, a De Elche, a Dejativa – de origem espanhola – e a Asseria. Esta última é uma variedade tradicional da região algarvia, precoce e caracterizada por bagos carnudos, vermelhos e de graínha pequena.
A romã destaca-se em termos nutricionais pelo seu potencial antioxidante, quase três vezes superior ao vinho tinto e chá verde. Para ele contribui o seu elevado  teor em  vitamina C, pró-vitamina A e polifenóis  (taninos e antocianinas). Estes compostos são importantes na proteção das células e podem ter papel importante na saúde cardiovascular e na prevenção de alguns tipos de cancro.

Informação nutricional da romã. Fonte: Alimentação Saudável DGS

A romã apresenta baixo valor energético, cerca de 50 kcal por 100g de parte edível de romã, sendo ainda fonte de fibra e rica em vitaminas e minerais, nomeadamente, carotenos, vitamina C, potássio e ferro.

A romã pode ser consumida de diversas formas, em sumo, ao natural, pode ser utilizada em sobremesas, como ornamento de vários pratos. Muitas vezes a principal razão para o baixo consumo reside na sua preparação que pode ser um pouco complicada. No entanto, existem algumas técnicas que podem facilitar o processo.

Fonte: Move Notícias/ Revista Agronegócios/ Alimentação Saudável DGS 

Técnica simples para preparar uma romã

Benefícios para a saúde e prevenção da doença

Devido ao seu potencial antioxidante e antinflamatório, o efeito terapeutico da romã (e do seu sumo) tem sido estudado em diversas patologias e condições:

  • Tratamento da síndrome do intestino irritável e outras doenças inflamatórias crónicas (fonte)
  • Prevenção e tratamento de diversos cancros (fontes)
  • Redução da pressão arterial (fonte)

Receitas saudáveis:

1. Arroz exótico com limão, caju e romã (fonte)
2. Couscous com romã e menta (fonte)
3. Arroz com seitan e romã (fonte)
4. Canapés com Queijo de Pesto, Noz e Romã (fonte)

Ingredientes:

  • Queijo creme
  • Molho pesto
  • Nozes
  • Romã
  • Massa quebrada

Preparação:

Corte as bases com um cortador de bolachas, molde-os, pique-os com um palito e leve ao forno.
Bata o queijo creme com um pouco de molho pesto e recheie as forminhas com este preparado.
Decorre com meia noz, uns bagos de romã e cebolinho picado.

5. Salada de abóbora, cebola roxa e romã (fonte)

Ingredientes

  • 1 abóbora manteiga
  • 2 ramos de tomilho fresco
  • 2 cebolas roxas
  • 2 c. de sopa de vinagre tinto
  • 200g de rúcula
  • 60g de miolo de noz (metades)
  • 1/2 romã
  • azeite q.b.
  • sal q.b.
  • 1 laranja (sumo)
  • 1 c. de chá de mostarda de grão

Prearação

  • Aquecer o forno a 180º.
  • Descascar a abóbora e partir em cubos. Dispô-la numa assadeira e temperar com azeite, sal e o tomilho.
  • Levar ao forno, com um garfo vá espetando a abóbora até verificar que ela está macia. Retirar e reservar.
  • Cortar as cebolas em rodelas finíssimas e colocar numa taça com água muito fria e o vinagre, para ficarem mais doces.
  • Numa frigideira, dourar as nozes. Reservar.