Acompanhamento semanal, porquê?

Como vai caro leitor?

Voltamos para uma publicação sobre o sucesso da intervenção nutricional. Já antes fizemos artigos sobre o tema que pode ler em HELP – Preciso de emagrecer!

São vários os fatores que influenciam o sucesso de uma intervenção no estilo de vida. Um deles, e dos mais importantes, é a periodicidade do acompanhamento.

Hábito – o que é?

  1. Definição: Substantivo masculino que indica uma tendência ou comportamento, geralmente inconsciente, que resulta da repetição frequente de certos atos.
  2. Psicologia: Modalidade motriz da memória que se manifesta na forma de atividades facilitadas pela sua repetição.

De facto parece não haver dúvidas: o hábito de determinado comportamento surge da sua repetição. A repetição, por sua vez, exige tempo.

Para que a mudança do comportamento se torne um hábito é preciso tempo.
Catarina Bragadeste
Nutricionista

Os estudos na área comportamental demonstram que 12 semanas é, em média, o tempo que um novo comportamento demora a tornar-se um hábito. Ainda que esse tempo possa variar dependendo da pessoa e do hábito que se deseja adquirir. Ou seja, não é por fazer 2 semanas de “uma dieta” que se tornará um hábito.

12 semanas

É, em média, o tempo que um novo comportamento demora a tornar-se um hábito.

A mudança de comportamento alimentar exige:

  • Compromisso
  • Determinação
  • Consistência
  • Perseverança
  • Persistência
  • Motivação
  • Resiliência
  • "Elasticidade" mental

Qualquer processo de alteração comportamental  tem “altos e baixos”. Isto é, não vai sempre correr bem, nem vai sempre correr mal. O importante é que a mudança vá acontecendo, quase de uma forma imperceptível, como resultado do tempo.

É neste ponto que entra a importância de um acompanhamento próximo.

12 Vantagens do acompanhamento semanal

  1. Relação de confiança paciente-nutricionista;
  2. Adaptação e correção faseada do plano alimentar;
  3. Gestão de sintomas (ex. obstipação, flatulência, azia, nauseas, enfartamento);
  4. Melhor compreensão do metabolismo pela reação às mudanças no plano;
  5. Estimulo e motivação para o cumprimento do plano;
  6. Adaptação do plano em situações sociais e de trabalho (ex. festas, aniversários, casamentos, viagens, novos turnos; reuniões);
  7. Envolvimento da família, através da mudança “nas compras” e da análise de rótulos;
  8. Deteção de alergias e intolerâncias;
  9. Adaptação do plano a situações “novas” de saúde, como troca de medicação, novos dados de análises, início de exercício;
  10. Gestão e atuação sobre o comportamento alimentar em situações limite, como stress, ansiedade, nervosismo (alimentação emocional);
  11. Desmistificar conceitos e ultrapassar barreiras;
  12. Análise dos resultados, através da bioimpedância e perímetros corporais.

De facto os estudos científicos, na área da perda de peso, são unânimes ao concluir que a frequência das consultas é um fator determinante no sucesso do emagrecimento a curto e longo prazo (Byrne S. et al, Appetite. 2012; Jiandani D. et al., BMC Obes. 2016Batra P. et al; Obesity 2013;Ratner, Jamie. Palo Alto University, ProQuest Dissertations Publishing, 2012.).

Segundo estes trabalhos, os pacientes mais assíduos às primeiras 8 sessõesperderam mais 10% de peso do que os restantes em estudo, relatando mais confiança e auto-eficácia!

+10%

Os pacientes mais assíduos às primeiras 8 sessões perderam mais 10% de peso

Agora entende por que razão as nossas consultas são semanais/quinzenais?

Se quer realmente mudar o seu estilo de vida, adquirir novos hábitos, então tem de manter o comportamento desejado por, pelo menos, 12 semanas. Está à espera de quê para começar a tratar de Si?