Tudo sobre: Bebidas alcoólicas

Como vai caro leitor?

Hoje vamos fazer uma revisão sobre um tema da atualidade: o consumo de bebidas alcoólicas, tão característica da época! Não há festa sem “um copo”.

Um problema de saúde pública

As bebidas alcoólicas são uma fonte de prazer e fazem parte do nosso quotidiano social. Contudo, a adição alcoólica e o consumo precoce de álcool constituem, cada vez mais, um problema. O consumo e as virtudes atribuídas às bebidas alcoólicas remontam a tempos distantes. Hoje em dia, são bem conhecidos os efeitos nefastos da sua ingestão excessiva, pelo que a generalização do consumo de bebidas alcoólicas a nível mundial, principalmente entre os jovens, constitui um motivo de preocupação das autoridades de saúde.

Factos científicos - Benefícios

Por outro lado, a investigação científica tem vindo a evidenciar alguns benefícios surpreendentes resultantes da ingestão moderada destas bebidas. Beber uma a duas bebidas alcoólicas por dia pode reduzir o risco de ataque cardíaco em 30 a 40% (mais ou menos a mesma percentagem que um potente medicamento redutor do colesterol). Este efeito protector também abrange os homens diabéticos, mais propensos a doenças do coração. As mulheres, apesar de usufruírem dos mesmos benefícios a nível cardiovascular, podem contudo ver agravado o risco de cancro de mama em 20 a 25%. Ao que parece isto poderá somente acontecer quando não se consome ácido fólico nas quantidades necessárias. 

Organização Mundial de Saúde (OMS)

O consumo excessivo de álcool é considerado, pela OMS, como uma ameaça à saúde pública mundial.

Estatísticas

Estima-se que mais de 2,3% da população mundial seja alcoólica, o que corresponde a cerca de 140 milhões de pessoas.Portugal é o sétimo consumidor de álcool, em termos globais, e o quarto consumidor mundial de vinho. Como grande consumidor, o problema é particularmente grave e os números apontam para cerca de 600 mil alcoólicos e 750 mil bebedores excessivos em Portugal.
Fonte

 Pensa-se que o seu efeito benéfico cardiovascular resulte do facto de o álcool reduzir a formação de coágulos que bloqueiam as artérias e de aumentar o colesterol “bom” (HDL), que tem um papel importante na prevenção da aterosclerose (estreitamento e obstrução dos vasos sanguíneos). O resveratrol e outros antioxidantes presentes no vinho tinto (na pele e grainhas das uvas) também são apontados como responsáveis pelos benefícios atribuídos ao consumo de vinho, contudo carecem de investigação adicional. 

Para além dos benefícios ao nível da saúde do coração, há indícios crescentes de que o consumo moderado de vinho tinto pode prevenir a diabetes e os cálculos biliares.

As mulheres que bebem regularmente devem assegurar que consomem o ácido fólico de que necessitam. Para o efeito, devem ingerir diariamente 400 microgramas desta vitamina, que podem ser obtidos a partir do consumo abundante de hortícolas variados (tais como brócolos, espinafres, alface, tomate ou espargos), de alguns frutos como a papaia e a banana e/ou de suplementos vitamínicos (fonte).

Factos científicos - Malefícios

Ainda assim, o consumo inadequado de álcool está associado a inúmeros problemas de saúde, constituindo uma das principais causas de morte evitáveis em todo o mundo. Ele contribui para as doenças hepáticas, diversos tipos de cancro, hipertensão e é responsável por um grande número de acidentes de viação. 

Por estes motivos o álcool é objecto de campanhas de saúde pública com vista à redução ou abstenção total do seu consumo. Veja-se que, até o consumo moderado de álcool está associado a um maior risco de doença de Alzheimer e outras doenças senis, angina de peito, fraturas e osteoporose, diabetes, úlcera duodenal, cálculo biliar, hepatite A, linfomas, calculos renais, síndrome metabólica, neoplasia maligna do pâncreas, doença de Parkinson, artrite reumatóide e gastrite

Devido ao aumento do consumo de bebidas alcoólicas por crianças e jovens salienta-se que o consumo moderado pode dificultar a memória e a aprendizagem, e até piora a pontuação em testes de QI.

Risco relativo de doença de acordo com n.º bebidas por dia

Álcool: factos nutricionais

Em termos nutricionais o álcool não é inócuo, cada grama desta substância fornece cerca de 7 calorias, para além de que pode condicionar défices vitamínicos e minerais, como de vitamina B1, B2, cálcio e fósforo. 

  Então quem é que afinal beneficia da ingestão de bebidas alcoólicas?

A resposta para esta questão não é universal, pois depende de muitos factores individuais. O conselho da generalidade das autoridades de saúde resume-se então ao seguinte:

  • Se já bebe faça-o com moderação, ou seja, limite o consumo de bebidas alcoólicas a não mais do que 3 copos de cerveja por dia (dois se for mulher) ou 2 copos pequenos de vinho por dia (um se for mulher);
  • Se ainda não bebe, é melhor não começar a faze-lo, pois há outras formas de obter os mesmos benefícios para a saúde, como por exemplo, pela prática de exercício físico regular.

Como nota final nunca é demais destacar que a as grávidas, lactantes e as crianças/jovens devem abster-se totalmente do consumo de bebidas alcoólicas

Lembre-se que o seu médico (ou outro profissional de saúde da sua confiança) constitui o melhor aliado no aconselhamento sobre quaisquer decisões relevantes sobre o seu estilo de vida, onde se inclui a questão do consumo de bebidas alcoólicas.

Beba por prazer, mas com

MODERAÇÃO =

  • Beba apenas em ocasiões especiais, preferindo bebidas de menor teor alcoólico. 
  • Não beba em jejum, nem misture bebidas alcoólicas diferentes. 
  • Se estiver grávida ou a pensar engravidar não beba.