Fibromialgia & Exercício

Como vai caro leitor?

Voltamos  com mais um artigo do nosso parceiro na área do exercício, o PT Hugo Cardoso.

O tema de hoje explica como o exercício pode melhorar a qualidade de vida dos doentes com fibromialgia.


FIBROMIALGIA – Uma doença reumática cada vez mais prevalente e que infelizmente não tem cura. Sabe o que é? Como se manifesta? Quais os benefícios do exercício físico para evita-la e minimizar os seus efeitos? Vamos esclarecer:


O que é a Fibromialgia?

A fibromialgia é um síndrome crónico caracterizado por queixas dolorosas neuromusculares difusas e pela presença de pontos dolorosos em regiões anatomicamente determinadas. Outras manifestações que acompanham a dor são: fadiga, perturbações do sono e distúrbios emocionais. Alguns doentes queixam-se também de perturbações gastrointestinais.

Sofrem da doença de 2 a 8% da população adulta dependendo dos países. Da população atingida, entre 80 a 90% dos casos são mulheres com idade entre os 30 e os 50 anos.


Qual o benefício do exercício fisico para esta doença?

A maioria dos doentes com fibromialgia apresenta-se em “má forma física”. Deste modo, para desempenhar uma determinada tarefa o músculo consome mais energia, o que exponencia a fadiga. A prática regular de exercício deve fazer parte do estilo de vida do doente, em vez de ser considerada uma medida terapêutica transitória.

Os exercícios físicos na fibromialgia, além de melhorarem a capacidade cardio-respiratória (passadeira, bicicleta, natação, etc.), atuam sobre o sistema músculo-esquelético, desenvolvendo a resistência muscular localizada, aumentando a força e favorecendo a mobilidade de grupos musculares que normalmente se encontram em contração prolongada, fazendo o paciente sentir-se melhor e mais saudável.

De entre as várias opções de atividades aeróbicas, a mais indicada para aos doentes fibromiálgicos é a marcha, pela facilidade de ajustamento da intensidade e duração da carga. Preferencialmente executada ao ar livre com o mínimo de poluição possível (jardins públicos, à beira-mar, à beira-rio, por exemplo).

É fundamental que a seguir à prática de qualquer atividade física, ainda que se trate de marcha de baixa intensidade e/ou duração, se proceda à realização de exercícios de relaxamento devidamente orientados .

MARCHA – 30 minutos, 2 a 3 vezes por semana, durante 4 a 5 meses.

Os benefícios terapêuticos do exercício em pessoas com fibromialgia foram reconhecidos pela primeira vez há vinte anos, aquando de um estudo randomizado que submeteu os doentes a vinte semanas de exercícios de alta intensidade, resultando em altos progressos na aptidão física, limiar de dor dos pontos fibromiálgicos e uma melhoria generalizada superior quando comparados com os pacientes sujeitos apenas a treinos de Flexibilidade.

O limite do que deve ser feito é determinado em conjunto pelo doente e o técnico que o acompanha e deve ter em conta: a idade, a presença de doenças concomitantes e limitações do sistema locomotor que podem ser agravadas com alguns exercícios.

De acordo com alguns estudos, os exercícios devem ser praticados no período da manhã, mas os cuidados com a postura devem ser aplicados durante todo o dia, no sentido de prevenir possíveis sobrecargas e esforços repetitivos.

Constata-se ainda, que a prática de exercício físico aumenta a auto-estima, o bem- estar físico, diminui o tecido adiposo, melhora o humor, promove uma postura mental mais positiva e predispõe para atividades antes evitadas ,tornando os doentes mais ativos, podendo inclusive, nalguns casos, contribuir para reduzir a medicação.

Se sofre de fibromialgia e pretende começar um programa de atividade física procure um profissional da área do exercício físico, a fim de garantir toda a segurança no seu percurso.


Em conclusão

Não há duvidas que o exercício físico é o melhor “comprimido” para quase tudo.

Existem doenças silenciosas que mais tarde ou mais cedo “vão-se fazer ouvir” e a fibromialgia é uma delas.

Exercite-se! Melhore a sua qualidade de vida e a sua auto-estima! Promova a Sua Saúde.


Fontes:

Myos — Associação Nacional Contra a Fibromialgia e Síndrome de Fadiga Crónica

Artigo de revisão: Lopes da Silva AI. Impacto da prática de actividade física na fibromialgia (2012)

 

Até breve!

Hugo Cardoso, PT

Responsável Personal & Group Training / Instagram