Porque se engorda depois de fazer “dieta”? (parte 2)
18 Fevereiro, 2017
Emagrecimento & Idade
24 Março, 2017
Mostrar tudo

Não consegue? Peça ajuda

Dra. Tânia Silva, psicóloga clínica

Como vai caro leitor?

Já aqui verificámos o papel fundamental que a psicologia tem para o sucesso da nutrição: relembremos o artigo O papel da psicologia no sucesso da nutrição. Para dar continuidade ao trabalho desenvolvido até ao momento pela Psicóloga Cláudia Esteves, integramos agora na equipa Diário de uma Dietista, a Psicóloga Tânia Silva.

A psicologia assume para com a nutrição um papel fundamental, na medida em que nos ajuda a identificar as razões que nos levam a ter um determinado comportamento alimentar, que atitudes adotamos e quais as nossas crenças em relação a isso.

Nos dias que correm, o “peso” deixou de ser apenas uma questão estética, passando a ser um problema de saúde importante e um dos fatores de risco no aparecimento de várias doenças. Os fatores cognitivos e comportamentais são determinantes para esta problemática, sendo que, sempre que possível, devemos identificar quais os pensamentos, sentimentos e comportamentos associados ao nosso comportamento alimentar.

 

Apoiando esta linha, torna-se importante a realização de um programa de intervenção tendo em conta a diversidade de variáveis que se pretende modificar:

  1. Hábitos de alimentação,
  2. Cadeias de comportamentos que favorecem a ingestão fora de horas,
  3. Auto imagem deteriorada que não encaixa nos atuais cânones de beleza,
  4. Falta de recursos e estratégias para fazer frente aos problemas quotidianos,
  5. Falta de habilidades sociais para formar parte de um grupo de amigos,
  6. Pensamentos distorcidos relacionados com a comida e com o peso, etc.

 

Todos estes elementos podem favorecer o consumo de alimentos na sua maioria hipercalóricos, dando lugar a um padrão de respostas caracterizadas por aspetos cognitivos de tensão:

  • Pensamentos de culpabilidade “não devia ter comido aquele chocolate”;
  • Pensamentos negativos sobre si mesmo “não gosto de me ver ao espelho”;
  • Pensamentos irracionais relacionados com a comida “se não comer hidratos vou emagrecer

Muitas vezes estes pensamentos conduzem a sentimentos e emoções menos positivas, podendo reforçar novamente a ingestão compulsiva de alimentos.

Perante este marco multicausal, torna-se imprescindível a introdução de distintas técnicas que permitam uma maior adesão ao tratamento e uma mudança de atitude perante um problema.

Se sente que a gestão do peso vai para além das suas capacidades, que não consegue controlar o seu comportamento alimentar, que este está relacionado com as suas emoções, então peça ajuda. Pedir a ” mão” a um profissional é um ato simples que pode fazer toda a diferença. Dispomos de um serviço de acompanhamento motivacional/ psicológico presencial e on-line (no conforto de sua casa). Não hesite em pedir ajuda.

Inspire-se no testemunho desta paciente que muito evoluiu com o acompanhamento on line psicológico e nutricional:

Por Tânia Silva, psicóloga clínica

Não consegue? Peça ajuda

Tempo de leitura: 2 min

Tenha acesso aos artigos mais recentes no seu email!