Emagrecer: Gordura e Músculo

Como vai caro leitor?

   Se é seguidor do blogue, já se apercebeu que aqui se defende o equilíbrio entre a alimentação, o exercício e a mente como a melhor estratégia para perder gordura (e não peso). 

As chamadas “dietas” de emagrecimento atuam apenas num destes aspetos (a alimentação) e por isso são tão temporárias e falíveis. Ou seja, ao restringir a alimentação sem praticar exercício irá “desequilibrar” a mente e a motivação tenderá a descer.

Por outro lado, quanto menor for a atividade física, maior terá de ser a restrição alimentar para obter emagrecimento. Sabia que existem atletas que devem consumir mais de 10 000 kcal diárias para manter o seu peso e compensar o seu dispêndio energético? É óbvio que não queremos praticar tanto desporto nem comer tantas calorias, mas queremos sim ter um menor nível de restrição, que nos permita ter mais energia para gastar no exercício!

Vamos então esclarecer quais as diferenças entre emagrecer só com “dieta” ou “dieta+exercício”. Comece por ler este artigo:

Abordagens nutricionais para emagrecimento – parte 2

A verdade é que quanto mais agressiva a intervenção, mais rápida a perda de peso, mas também mais rápido o “re-ganho”. Quer opte por dieta muito severa, exercício muito intenso ou medicação, assim que “abrandar” a intensidade destes métodos voltará a ganhar gordura. E porquê?

Tudo se deve à capacidade adaptativa do nosso corpo. Nascemos para sobreviver. Todas as “condições extremas” são como um processo de doença, após o qual o corpo humano faz tudo para recuperar. Quanto mais rápidas as mudanças, menor a adaptação, ou seja, mais provável o regresso ao estado inicial ou pior.
O nosso corpo é um sistema complexo de orgãos que interagem entre si por via de mensageiros: “as hormonas”. Condições extremas fazer com que estes mensageiros façam tudo para prevenir “a morte”. Isto é, irão:

  • Abrandar o metabolismo basal, por forma a que mesmo em repouso o corpo gaste menos energia.
  • Aumentar a eficiência de absorção intestinal dos nutrientes.

Mais!! Todas as “calorias” extra que consumir num dia de festa ou descontrolo são diligentemente guardadas sob a forma de gordura! Além de aumentar a retenção de líquidos e assim o peso total, rapida e assustadoramante, levando-o a desistir da “atual dieta”.

Portanto, quando o emagrecimento é feito a partir de métodos errados, agressivos e que não respeitam a adaptação metabólica, assiste-se ao reganho de peso, muitas vezes superior ao inicial! Ainda está a pensar tomar aqueles comprimidos milagrosos?

Assim sendo, o segredo para emagrecer de vez é....

 Emagrecer exige tempo e capacidade para aceitar e ultrapassar “altos e baixos”.

Aceitar “o que o seu corpo lhe dá” ao longo do tempo.

 

Consigo próprio, para manter um nível de motivação elevado e resistir às “tentações” que vão surgindo no dia-a-dia (ex refeições sociais).

Para praticar desporto e dar o seu máximo, suando, sentindo dor e continuando!

Não basta mudar a alimentação, tem de se mexer, descansar/dormir e aprender a gerir os stress.

Leia:13 medidas para mudar a sua vida

Tem de aceitar a ideia de que só seguindo uma alimentação saudável e equilibrada para sempre e exercitar-se regularmente lhe vão permitir perder gordura e manter-se assim. 

Por exemplo: muitas pessoas só comem vegetais enquanto estão a perder peso, mas assim que chegam ao peso ideal cessam esse consumo. Os vegetais fazem bem à saúde, não emagrecem. A mesma coisa se pode dizer da fruta, dos lácteos magros, do pão integral, das carnes brancas, do peixe, etc… Nenhum destes alimentos emagrece. Se comer 1kg de pão integral por dia também engorda! É a conjugação de todos eles, mais a evicção dos que “fazem mal” que emagrece (bolachas, doces, fritos, fast-food, gorduras, etc). 

Quando nos perguntam se determinado alimento emagrece ou engorda, a resposta é sempre óbvia: depende da conjugação de tudo o que come ao longo do dia.

«Nada engorda e é o Tudo que o faz!

Outro pormenor, que na realidade é um “”pormaior”” é deixar de dar tanto valor ao peso!

Leia: A balança engana!

O peso é só um número. Se beber um copo de água e voltar a pesar-se já tem mais 200g, mas não de gordura, sim de água. Pare de se pesar a toda a hora e valorize sim a sua composição corporal, ou seja, peso em gordura e em músculo. Veja as seguintes imagens:

O peso e altura não são bons indicadores de gordura corporal. Aqui o exercício tem um papel fundamental. Pode até ter um peso mais elevado se este for à custa de massa magra (músculos, fluidos, cartilagens, tecidos moles, órgãos, sangue, etc).

«Não queira ser leve, nem magra. Deseje estar em forma!»

Leia: Quer estar magro ou leve?

Mude de vez o seu estilo de vida, parando de fazer dietas extremas e começando a praticar exercício. O seu corpo e a sua mente agradecem.